Reiki

Reiki

sábado, 29 de outubro de 2011

Os 21 dias pós Iniciação nível I e a primeira aplicação

No dia seguinte à iniciação comecei os 21 dias de auto aplicação do Reiki, foi junto ao mar, a 1ª e a 2ª posição (cabeça) custou muito (talvez por cansaço dos membros superiores ), na posição 3 ( chakra frontal) surgiu uma luz laranja, o mal estar sentido na iniciação surgiu nas primeiras posições, mas foi mais tênue. Os outros dias foram feitos no caminho entre o trabalho e a casa, no ônibus, quando regressava para casa, exceto as últimas posições que esperava para fazer em casa.
O 21º dia  de tratamento (16/10/1999) foi realizado no quarto, sentada na cama, ouvindo o CD recebido na iniciação, senti o "formigueiro" nas mãos de forma mais intensa, na última posição (dos pés) senti algo magnífico: Olhei para os pés com meias brancas, embora não tão brancas pelo uso, eles estavam com um branco iluminado, mais o direito,depois vi um halo de luz delimitando o eu corpo, desde os pés até a cabeça, como se os bordos do corpo estivessem iluminados, ou seja, um contorno de luz  me envolvendo, apesar de ter passado os 5 minutos, permaneci na mesma posição (engraçado que antes não conseguia ficar muito tempo nessa posição). Não sei porque abri as mãos em forma de concha voltada para mim, inicialmente não dava para ver as mãos (eu estava no escuro)  depois foram surgindo três pontos luminosos, 1 próximo ao segundo dedo da mão direita, o outro próximo do 2º dedo da mão esquerda e outro no meio da união das 2 mãos e por segundos as mãos se iluminaram conforme o contorno da luz anterior
(imagem semelhante, embora com muito menos intensidade, da primeira figura que vi do Reiki,:2 mãos em concha saindo um sol)
Depois voltou a ficar escuro. Uma sensação de Paz magnífica e de estar em outra dimensão.
A primeira aplicação de Reiki (no dia seguinte ao término dos 21 dias) foi na estrela da minha vida, minha querida saudosa mãe (que esteja na Luz Divina e em Paz), estava em posição desconfortável o que me custou imenso aplicar, sentia o "formigueiro" no corpo dela como sentia em mim, ao aplicar nos joelhos e nos pés dela, senti as minhas mãos em brasa, nessa altura minha mãe disse "vais me aquecer os pés" eu perguntei se as minhas mãos estavam quentes, ela respondeu 2muito quentes", ao fazer a "varredura" ("limpeza da aura") de cima para baixo senti como se estivesse passando água (o som da passagem da água), fiquei com o rosto vermelho, as orelhas e o rosto "queimando" e o mesmo mal estar, sensação de vômitos e de "cabeça inchada", da iniciação, porém  muito mais ligeiro, mas o suficiente para que dissesse para mim mesma, "não estou bem", talvez tenha sido por ter tomado chá preto antes. A minha mãe referiu que no início do tratamento sentiu calor na barriga e pontadas de calor no lugar aonde ela estava com dor (motivo pelo qual lhe foi aplicado Reiki), na região lateral posterior esquerda, mas que não sentiu melhoras, mas depois veio e me deu um beijo "obrigada por fazeres o esforço" o que me fez recordar que tinha esquecido de fazer o agradecimento que sempre faço ao fim de aplicar o Reiki.
Um fato curioso, nessa noite dormi tão gostoso que  o despertador tocou eu continuei dormindo, mas apesar de ter levantado muito mais tarde do que deveria, ou seja na hora que já devia estar saindo,  e ter  saído muito depois do que é o habitual, só cheguei atrasada 5 minutos.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

A (minha) iniciação - Nível I


Iniciação no Nível I do Reiki Essencial
No dia marcado cheguei cedo ( ia apreensiva, tudo fora tratado via mail, apesar de tudo parecer indicar que era para  estar ali naquele momento, interiormente o receio do oculto, do sobrenatural,  de tudo que escapa a razão era muito forte. Tudo relacionado a mente e ao espírito sempre exerceram um fascínio sobre mim, porém a razão sempre impediu de aprofundar nos mistérios que envolvem quer um , quer outro tema,ambos conduzem ao sobrenatural e este é um terreno pantanoso, que deve-se pisar com muita cautela,visto que podem raiar  fronteiras da sanidade mental, portanto, para poder caminhar nesse terreno é preciso ter uma base sólida onde se apoiar e poder pisar com segurança, preservando o equílibrio interno e a sanidade mental, No meu caso a minha base é a minha razão ou consciência racional e a crença, consequentemente a Fé, em Deus), deparei com um casal vestido de branco sentados com várias cadeiras dispostas em círculos sobre um tapete branco no centro uma vela branca grossa, acesa, incenso queimando e um recipiente redondo branco fosco, um fundo musical propício à meditação. Tudo isso fez com que "acendesse" uma espécie de sinal vermelho  como se dissesse "cautela" era o lado racional se manifestando. Dirigi-me a senhora, ela disse para descalçar e colocar a bolsa na sala ao lado,  perguntei se  fora com ela que mantivera os contactos, ela confirmou ser a Sandra Ramos, perguntei se teria que ter ido de branco, ela disse que era cor clara, mas não tinha importância, que deve ter esquecido de avisar, como eles estavam em posição de meditação, calei-me tentando meditar. Chegaram todos,  como três dirigiram-se para efetuar o pagamento eu aproveitei para fazer o meu pagamento também, para não ter que mexer no dinheiro quando fosse sintonizada. Procedeu-se a "chamada" o meu nome não constava, mas a Sandra tranquilizou dizendo que não fazia diferença e acrescentou o nome. O senhor, Jorge, marido da Sandra, deu um toque em três recipientes de tamanhos diferentes, entoando um som como se fossem sinos, por fim deu um toque no recipiente redondo para iniciar a sessão: 
A Sandra começou por falar da história do Reiki, em seguida o Jorge  procedeu a harmonização,
 As cadeiras foram afastadas para que ele pudesse passar, inspiramos até 7, prendemos e depois soltamos o ar até 7, fechamos os olhos, mantivemos o ritmo da respiração, ele foi conduzindo, inicialmente sentindo a energia entrando pelos pés, depois visualizamos um luz vindo do alto entrando pela cabeça, dirigindo-se para o tórax e irradiando pelo corpo, depois senti Jorge  soprando na frente , depois atrás de mim, nesse momento senti as mãos dele na minha cabeça.
As sensações nesta fase foram:
Antes do Jorge passar  uma escuridão só um ponto luminoso do lado direito, depois do lado esquerdo vi o símbolo do Reiki em flash, depois vi mais outro ponto luminoso minúsculo à esquerda, por fim vi mais um ponto luminoso abaixo e no centro nesta configuração
Após o Jorge passar: como se um vulto etéreo/gasoso, mas disforme surgisse, senti como que uma força fizesse com que as mãos que estavam enrelaçadas com os indicadores apontando para o alto, próximo do pescoço, baixassem lentamente até  a meia distância entre o pescoço e a perna, depois baixaram até a perna. Ao abrir os olhos  a sensação de dissociação do corpo, a cabeça com uma  enorme pressão, o corpo leve
Após a Harmonização seguiu-se a explicação dos chakras pelo Jorge, houve o intervalo para o almoço.
Depois do almoço nova meditação, o recipiente que estava no centro passou a estar em outra posição, ficamos com as mãos entrelaçadas  com os indicadores apontando para o alto, respiração profunda imaginamos um campo/paisagem com árvores, visualizamos um caminho dourado, seguimos por esse caminho até encontrar uma árvore majestosa antiga (antes do Jorge dizer que era para abraçá-la, intuiu que era isso que iria fazer), nos abraçamos a ela e passarmos a sentir que os pés criaram raízes que vão penetrando fundo na terra, até ao centro, onde tinha uma cascata com cristais e um riacho com água cristalina, sentir a água penetrando nas raízes, Depois do centro da cabeça imaginamos que saiam galhos e folhas em direção ao céu, passando as nuvens, o sistema solar até um ponto desconhecido aonde tinha um mar de luz, deixando a luz percorrer até ao centro do corpo.
As sensações durante esse tempo foram: Mãos em “brasa” diminuiu quando surgiu um vulto violeta/lilás comprimido numa bola da mesma cor, uma pressão na cabeça. Nesse momento a Sandra fez a iniciação, descruzou os dedos indicadores, depois suspendeu os braços sem desfazer as mãos, fez 2 vezes e soprou, nesse momento a “brasa” da mão, deu lugar ao calor do rosto como se tivesse ficado ruborizada, as mãos trepidavam como se os braços estivessem suspensos no ar, mas não estavam, estavam apoiados na cadeira, de vez em quando surgiam movimentos involuntários. Depois o Jorge disse para soltarmos a árvore, regressar pelo caminho e pousar a mão sobre o joelho. Foi uma sensação gostosa, apesar da pressão na cabeça surgir de novo, agradeci a Deus.
Terminada as iniciações todos  tiramos uma mensagem do nosso guia, um anjo: autoconfiança nº 27:”esquece o passado!”
Chegou o momento de praticar o Reiki: dar e receber Reiki, fomos divididos em 3 grupos, 1 de 4 e 2 de 5, fiquei no de 4, fui a primeira a receber Reiki, como estava deitada com a cabeça ao nível do corpo, senti pressão no pescoço e nuca, enquanto estavam energizando o chackra da cabeça,  outra no coração e outra na raiz eu ainda estava bem, quando passaram para o laríngeo, plexo solar /sexual   e os pés, fui ficando enjoada, quando terminaram e eu levantei pensei que fosse vomitar, um mal estar tão grande, que ainda não havia sentido, pressão na cabeça e náuseas prestes a vomitar, bebi água, tentei relaxar, fui aplicar  na senhora que tinha me feito na cabeça (que senti as mãos dela frias), fiz da raiz aos pés antes de chegar aos 5 minutos, comecei a suar, as náuseas aumentaram um calor intenso vontade de tirar a roupa a pressão na cabeça aumentou. Parei na senhora que havia feito o chacra do coração, sexual e plexo solar, estava desesperada, até o som da música me incomodava, bebi água, de repente essa senhora que eu parei, começou a ter abalos, soprou e começou a soluçar como se estivesse incorporando um espírito (cena vista num filme) eu devo ter ficado com os olhos arregalados de espanto, o Jorge a abraçou e a Sandra fazia vários espirais no ar sobre a cabeça dela. Depois tentei fazer na senhora que fez da raiz aos pés em mim e que tinha as mãos quentíssimas, mas só fiz o chakra coroa, quando fui para o do 3º olho, não consegui a Sandra disse que o Jorge assumiria, (ele já estava fazendo no laríngeo porque a senhora tinha ficado nervosa com  a reação que a outra senhora tivera) depois a Sandra disse que eu fosse sentar no jardim, porque ali estava cheio de energia (eu já tinha pensado nisso, mas não o fiz porque não sabia se poderia), fiquei com a cabeça fincada na mesa e me abstrair com os meus pensamentos, tentando raciocinar sobre o que teria acontecido:Posição da cabeça ao mesmo nível do corpo, causando reação vagal? Uma forma de chamar a atenção? Reação psicossomática sugestionada de que isso poderia acontecer? excesso de energia? (uma vez que estando de férias estes dias, tenho estado junto ao mar tentando absorver a energia que ele emana) desintoxicação do corpo? (como o Jorge disse ter acontecido com ele), algum desbloqueio energético? Nesse momento a Sandra me chamou, estremeci, ela disse ser o momento da partilha, mas que se eu não quisesse poderia não ir. Mas fui. Todos estavam satisfeitos. Eu relatei o que me acontecera, o Jorge acrescentou “Essas duas reações foram uma raridade não costuma acontecer esse desbloqueio tão acentuado e logo na primeira vez , nos 21 dias de auto tratamento, as pessoas sentem a desintoxicação gradual, têm diarreia, mas passa no 2º dia, comigo aconteceu a mesma coisa, não deixe de usar o Reiki” a Sandra pediu autorização para mandar Reiki à distância eu concordei. O Jorge disse para lhe ligar ao fim de sete dias para dizer como estava. Eu disse” a única dúvida é se as pessoas após os tratamentos sentirão o que eu senti” a Sandra disse “deve-se se avisar as pessoas que poderão sentir isso, mas não será tão forte como sentiu aqui, na iniciação há excesso de energia” eu perguntei:”será que ao invés de transmitir eu roubei a energia?” a Sandra respondeu “ Quando passamos a energia ficamos com10% dessa energia” então, eu lhe perguntei “será que eu estava com energia alta e com esses 10% ficou em excesso?” ela perguntou se eu era muito "enhergética” no meu dia a dia, eu respondi ser um pouco, ela respondeu “talvez algum bloqueio que tenha sido desbloqueado, mas não sei qual”.
Terminada a partilha foi a entrega do diploma e de um CD de Reiki, um abraço da Sandra e uma salva de palmas e o Namastê (mãos  unidas no peito e inclinação da cabeça). Foi emocionante, uma lágrima rolou pelo meu rosto. Despedi-me da Sandra e disse que faria os 21 dias de auto tratamento por ser em mim, ela me abraçou, depois fui me despedir do Jorge que também me deu um abraço.
Ainda não estava bem, tanto é que errei o caminho, quando dei por ela, tinha percorrido 6 km e já estava pegando a estrada para casa, quando deveria estar indo para um shopping comprar o presente da afilhada pois fazia anos no dia seguinte, eu estava de férias hospedada na casa dela e encontrar um amigo que tínhamos um jantar combinado, que felizmente não apareceu e  tinha o celular desligado, porque eu não queria vê-lo e nem  falar com ninguém, queria primeiro partilhar com a pessoa que amava. Acabei por jantar sozinha, embora  pouco comesse porque ainda não estava recuperada.

domingo, 16 de outubro de 2011

Sobre iniciações

O ser humano, em sua evolução, ampliou sua sensibilidade em relação aos segredos da Natureza. Alguns destacaram-se pelo grau de conhecimento conseguido através desta percepção, passando a transmiti-los a todos que manifestavam interesse em adquiri-los, sem discriminação. Assim, os conhecimentos adquiridos por alguns, foram utilizados de forma extremamente egoísta e em benefício próprio, utilizando a Sabedoria recebida, para tirar vantagens físicas e materiais. "O conhecimento gera o Poder. O conhecimento absoluto o Poder absoluto". Por estas razões,os Mestres limitaram os conhecimentos a serem proporcionados às
pessoas em geral. O acesso aos Mistérios, tornou-se uma prática que deu início às chamadas Iniciações. As Iniciações como nos ensina Helena Blavatsky são cerimônias de Mistérios, mantidas ocultas dos profanos e dos não Iniciados. Para Platão, as Iniciações são a conquista progressiva dos estados de consciência. No livro de Job lemos que, há uma alquimia espiritual e uma transmutação física e o  conhecimento de ambos nos é comunicado nas Iniciações. Para os Neo Platônicos ela é a união da parte como Todo. A harmonização, é uma das chaves para que ocorra o equilíbrio físico mental e espiritual necessários ao iniciante.As energias que se apresentam em todas as Iniciações, se manifestam sempre,conforme relatos dos iniciados,como chispas luminosas, luzes encantadas, símbolos dançantes multi coloridos, que são vistos, ouvidos ou sentidos. Segundo alguns ocultistas,as primeiras iniciações começaram com Rama, há 4 ou 5 mil anos A.C. o sacerdote da antiga Citia na Ásia, Rama foi um rei
espiritual do planeta Terra, o Inspirador da Paz e o primeiro legislador a interligar a vida humana, ao ciclo das estações do zodíaco. Para E.Schure, Rama foi quem primeiro fixou os signos do Zodíaco. Desta forma  nos legou as Doze Primeiras Grandes Iniciações,os Doze Passos do Zodíaco, que oser humano tem que percorrer passo a passo, para melhor dominar seus instintos, emoções, purificar pensamentos, palavras e ações, conscientizarem si a ilusão da separatividade, para exercer a regra máxima da purificação do Iniciante, a "Primeira Pedra do Templo da Sabedoria ",o Silêncio. Os Mistérios de Samotracia seguem os seguintes Passos: a purificação, a recepção,a revelação,a amizade e a comunicação com Deus. A Iniciação Egípcia tem por maior Passo, a pergunta feita ao adepto antes de ser admitido nos
Mistérios: "Conheceis quem sois?" Em Menfis no Egito,os Passos do iniciante são os das 7 virtudes morais. Na Iniciação à Esfinge um dos Sagrados Passos é o da revelação do único e verdadeiro atributo humano - SER. A Iniciação ao Pentágono consiste na reforma ou sublimação interior do Homem pelas lutas interiores. A Iniciação de Cagliostro se dirige ao espírito, à energia, abnegação, confiança no
futuro, a glorificação de Deus em Si. A Iniciação Maçônica (Sabedoria-ciência das coisas), em seu rito francês assinala que quem deseje realizar os Mistérios, terá que viajar só, sem temor, purificado pelo fogo,
água e ar."Por ter vencido o medo e a morte e preparado sua alma para receber a luz,terá direito de sair do seio da terra e ser admitido na revelação dos grandes Mistérios". Das Iniciações realizadas no antigo Egito,
Grécia, Roma, podemos lembrar algumas que ainda hoje são realizadas em locais sagrados:os Sete Atributos da Lira de Apolo, os Sete Oceanos, os Mistérios de Eleusis, de Samotracia, Órficos, Ceres, de Baco, a Sagrada Iniciação dos Trinta e Dois Caminhos do Sepher Jetzirah (O Livro Sagrado da
Sabedoria Secreta), os Vinte e Dois Caminhos Secretos da Letras do Sagrado Alfabeto Hebreu, as de Isis, Osiris, Horus e as do Sagrado Sol Central, que desde a época do continente Mu, são em número de quatro:
 1) a do Sol Central ou Sol Perfeito;
2) o Sol Poder da Suprema Inteligência;
3) O Sol Visível;
4) O Mistério do Espírito e da Palavra.
A Sagrada Iniciação Budista nos declara em um dos seus Mistérios: "Sendo um, se torne múltiplo, sendo múltiplo, volte a ser único, podes aparecer e desaparecer sem encontrar resistência, passar através das paredes montanhas, como se fosses ar, se fundir com a terra e emergir dela como se
fosses água, caminhar sobre a água sem que ela se abra como se fosses terra, atravessar os ares, tocar com tuas mãos o Sol e a Lua, astros poderosos e maravilhosos e com seu corpo, chegar até o mundo de Brahma."
Outras Iniciações como o Yoga Hindu da revelação, os Mantras Védicos, os Upanishad iluminam a mente para a Verdade Brahmanica do Homem e Deus, dos deuses e Mantras. O Conhecimento Divino das forças Supremas de Luz, Agni, Indra, Soma, o mito de Angiras entre tantos, nos lêvam a uma prosternação e como nos diz Sri Aurobindo, "a verdade, a retidão, a imensidade dos Vedas,nos conduzem à Plenitude e a Imortalidade". Iniciar, de acordo com E.Alfonso, fundador da Escola de Iniciação Filosófica é realizar no ser humano a transmutação da consciência humana em Divina, e todas as Iniciações Indianas nos conduzem à essa transmutação. Não podemos deixar de mencionar a Sagrada Iniciação  do SHRI CHAKRA, contido no texto do Bhavana Upanishad, que nos conduz ao nosso próprio centro e à obter os dons divinos da Generosidade da Vontade da Consciência Cósmica entre tantos outros, que nos são fornecidos pelos Mestres Rishis, Sadus e Yogas, etc. As Iniciações Reikianas redescobertas pelo Dr. Mikao Usui no século passado, formas tão puras e simples de sutil canalização energética, são realizadas pelos mestres, através do dom divino da energia do Amor. Transformando, religando, purificando, transmutando energeticamente o ser humano, desenvolve em cada um, a sua própria Mestria. As iniciações reikianas, concedem uma maior consciência e capacidade para que, possamos nos assumir integralmente. Alinhando mente, corpo e espírito aos Princípios Constitutivos do Homem, nos torna uno com o Universo e assim, como um canal energético, auxiliamos "a cada Ser a tomar para si, a cura que necessita" (Dr. Mikao Usui). A obtenção do conhecimento do "Eu Deus", do Amor ao Eu Superior, ao Deus em Nós, nos torna harmoniosamente sintonizadoscom o Universo-Amor-Unicidade-Deus, graças à Iniciação em Reiki. Em todos os
 processos iniciáticos, uma verdade é comum à todos, a religação com o Uno, o AMOR, a conscientização de que devemos realizar em nós o Divino. Manter, sempre em permanente estado de vigília, todos os nossos centros (Gurdijeff), faz parte dos caminhos iniciáticos dos adeptos. A reverberação contínua do
Eu Sou, a Sagrada Atenção, o Silêncio, são os Mistérios Maiores da Unicidade divina contida nas Iniciações. Todos o Passos, Mistérios, terão que ser percorridos dentro de nós, para que possamos ser iniciados,"Não chegarás ao Caminho se não te converteres no Caminho".
Lembrarmos sempre que todos os Grandes Iniciados, Jesus, Buddha, Lao-Tse, Orfeu, Krishna, Moisés, Hermes, e tantos mais, realizaram o Divino no Humano. Eles são as verdadeiras encarnações do Verbo, os Mediadores da Consciência Cósmica Universal, pois transcenderam todos os estados de consciência para realizarem a Vontade Divina do Sagrado Único - O AMOR
(Um tratado sobre iniciações Uma colaboração de Ausonia Klein, mestra de Reiki)
No Reiki Essencial são três níveis de Iniciação/Sintonização

1-Reiki Nível I
Esta primeira iniciaçăo abre as portas à canalizaçăo da energia que nos permitirá fazer auto-tratamento e também transmitir essa energia a outros, directamente.
É um método muito fácil de entender e de aplicar.

2- Reiki Nível II
Esta iniciaçăo complementa o Nível I e cria uma maior abertura à canalizaçăo.
O Reiki II fornece chaves suplementares que trazem uma maior força aos tratamentos aplicados a nós próprios e aos outros.
O Reiki II permite-nos também dar tratamentos à distância
As Técnicas de Cura à Distância
O Reiki à distância não solicitado é uma invasão de privacidade. É sempre indicado obter a permissão e consentimento da pessoa que você pretende enviar o Reiki à distância. Devemos respeitar a vontade alheia e o livre arbítrio da pessoa receptora.
O pedido de autorização, em alguns casos, pode ser feito mentalmente, através da conexão com o Eu Superior da pessoa que irá receber a energia.
É importante combinar a hora mais adequada para a energização. Algumas pessoas costumam ficar sonolentas e até dormir, terem certa perda de reflexos e coordenação motora, sentirem calor, calafrios e pressão na cabeça, mas, sempre momentaneamente. Dependendo da atividade exercida naquele momento, estes fatores poderão apresentar riscos.
Qualquer que seja a técnica de cura à distância, o ideal é procurar um ambiente tranqüilo no qual o emissor de energia não seja interrompido. Feche a porta, desconecte o telefone, atenue a luz. Uma boa opção é acender uma vela (elemento fogo) para ter claridade suave. Devemos sentar confortavelmente, com pernas e braços descruzados.
É importante, em qualquer caso, visualizar o rosto e o nome de quem será energizado. Se você não conhecer a pessoa, utilize uma foto para facilitar a visualização. Caso não seja possível uma foto, utilize o nome completo e o endereço.

3-Reiki Nível III
Ser iniciado em Reiki III é abrirmo-nos a uma maior capacidade de canalizaçăo e de transformaçăo. É também uma etapa de preparaçăo para o nível de Mestre.
Tornar-se MESTRE é abrirmo-nos à dimensăo do EU dentro de nós próprios.
É dizer sim à nossa verdadeira natureza, à nossa essência real. Esta iniciaçăo dá-nos a possibilidade de iniciar outras pessoas em todos os níveis do Reiki.
Vivência de quem recebe reiki Desde que todos somos originalmente indivíduos, mas pessoas diferentes, experimentamos assim o tratamento diferentemente. Geralmente as pessoas sentem uma sensação agradável de calor ou sentem uma espécie de formigamento na área que está sendo tratada. Enquanto a energia procura restaurar o equilíbrio, combater o stress e a tensão, costuma ocorrer uma profunda sensação de relaxamento e bem estar. Reiki complementa a eficácia da maioria das formas de tratamento, sendo usado só ou acompanhado com qualquer tipo de terapia. É um modo completamente seguro, natural e holístico de tratar a doença. É a energia de cura no seu âmbito mais verdadeiro. Não há nenhum efeito colateral.

Notas
O I e o II Níveis podem ser feitos em dias seguidos, se a pessoa assim o desejar. Entre o II e o III terá de haver um período mais longo de integraçăo e prática.
Também é possível ser-se iniciado individualmente.

Já foi mencionado a história da Linhagem do Reiki, mas novamente é colocada aqui para lembrar que existe 2 ramos do Reiki: Tradicional (que são 4 iniciações) e o Reiki Essencial (3 iniciações) e porque é através das iniciações que a linhagem é transmitida
História da Linhagem do Reiki Tibetano
Esta é a história da linhagem do Reiki Tibetano, como apresentada por Craig Ellis, Mestre em Reiki Tibetano. Mestres Ascensionados, incluindo El Morya, ensinaram o que nós nos referimos agora como Reiki Tibetano para Buddha, Jesus e Maomé. Eles também ensinaram as pessoas na Lemuria, Atlantida, Egito, Andes, Machu Picchu e para os Hunas na Polynesia. No início do século 17, Babaji, Mataji, e Mestre Rupon ensinaram a Tschen Li. Tschen Li ensinou ao Dr. Usui que começou a linhagem do Reiki Tradicional.

A Linhagem é transmitida através de uma Iniciação, no Reiki chamada de Reiju. O Reiju é um método específico de sintonização que conecta o aluno à sua Origem, à Linhagem e ao Reiki.
O equivalente sânscrito de "iniciação" é abhisheka, que significa "unção", "o encontro das duas mentes", a do mestre e a do aluno.
Nunca houve tantos mestres Reiki formados e isso é uma benção no mundo, porque podemos a muitos beneficiar. Mas, devemos ser responsáveis pela honra de nossa ancestralidade, sempre lembrando de onde viemos, os passos que nos antecederam, porque só assim saberemos para onde vamos. Este é o significado de Linhagem. http://www.luzazul.blog.br/2011/09/minha-linhagem-reiki.html

Que muitos possam ser beneficiados.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Código de ética do Reiki

CÓDIGO DE ÉTICA DO TERAPEUTA REIKI
1-Honrarei com toda a minha capacidade moral, intelectual e espiritual a minha linhagem e procurarei a cada dia aperfeiçoá-la, mesmo que para isso tenha que investigá-la para recomeçar;

2-Jamais prejudicarei intencionalmente qualquer ser vivo, qualquer forma de vida, e a religião, a raça, a cor, o status social e a preferência sexual jamais serão requisitos ou pré-requisitos para qualquer atividade pessoal e profissional;
 
3-Promoverei a consciência da cura, da saúde e do bem-estar dos meus clientes e dos espaços físicos;

4-Respeitarei a dignidade de todo ser humano com os quais trabalhar e me relacionar profissionalmente. Serei direto e objetivo nas minhas relações profissionais e agirei com integridade quando interagir com outros profissionais, mesmo se houver discordâncias;

5-Promoverei os serviços para os quais estou treinado, capacitado e credenciado e me manterei nos níveis mais altos de minhas capacidades de forma a cumprir com os pré-requisitos legais, éticos e espirituais da profissão e das suas práticas, dentro dos meus limites;

6-Jamais invadirei os limites físicos, mentais, emocionais e espirituais do cliente e promoverei sempre o melhor ambiente possível para minhas práticas;

7-Defenderei a profissão contra injustiças, criticismos, vandalismos, falsificações, exploração assim como defenderei meus colegas da maldade e das injustiças, venha de onde vier;

8-Procurarei sempre expandir o meu leque de conhecimentos mesmo que para isso tenha que refazer meus conceitos e treinamentos;

9-Respeitarei meus colegas como a mim mesmo e todos os princípios que regem a Terapia Reiki, cuja raiz de conhecimento vem do Oriente, através do Mestre Mikao Usui;

10-Promoverei o sigilo profissional do consultório, do ambiente de trabalho e dos interesses individuais meus e dos meus clientes;
11-Colocarei a honestidade como base e parâmetro de qualquer comparação diante das minhas atividades profissionais e pessoais.
12-Transmitirei os ensinamentos de mão em mão

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Princípios do Reiki

Se por um lado a canalização e aplicação da energia universal são o método do Reiki, por outro, os Cinco Princípios constituem a sabedoria implícita neste método. Ao se tornar um reikiano, assume-se o compromisso de praticar em sua vida estes princípios. Mesmo aos que não se tornam reikianos, mas buscam tratamento com um terapeuta que utilize esta técnica, deve-se incentivar a vivê-los e explicar porque são benéficos.Através da Medicina Psicossomática sabe-se hoje que a mente influi na saúde do corpo e amplos estudos têm sido realizados a este respeito. O modo como encaramos a vida e a conduzimos se reflete em nosso corpo.
Por isso, manter a mente tranquila e positiva já não é visto exclusivamente como uma recomendação de esotéricos, mas tem sido, cada vez mais, uma recomendação médica. Uma mente tranquila melhora o
sistema imunitário e aumenta a capacidade de se recuperar de doenças. Também ajuda a lidar com o stress da vida cotidiana e a tomar decisões rápidas e acertadas em momentos difíceis. Além disso, nos coloca em maior harmonia com nosso Eu Superior e com a sincronia do Universo. Nos torna mais perceptivos às oportunidades que a vida nos dá a todo instante e dá mais discernimento para aproveitá-las. Por isso, é o "Método Secreto para Receber Bênçãos" e o "Remédio Espiritual para Muitas Doenças".
Os Cinco Princípios dizem para pensarmos neles e cantá-los duas vezes ao dia, de manhã e à noite. A constância é importante para torná-los hábitos da mente. Quando nos habituamos a pensar e refletir sobre suas implicações, logo notamos os efeitos graduais em nossa vida. Por exemplo, em relação ao primeiro princípio, "não se irrite". Primeiro, passamos a perceber em que situações nos irritamos facilmente e que às vezes nem notamos, embora não consigamos ainda evitar a raiva. Com o tempo, em certas situações demonstramos raiva, mas conseguimos parar e tranquilizar a mente. Em uma terceira etapa, sentimos um pouco de raiva, reconhecemos isso, mas nem chegamos a demonstrar. Finalmente, vencemos a raiva e não a sentimos mais. O mesmo ocorre com os outros princípios. Obviamente, chegar a esta perfeição é muito difícil, mas qualquer passo em direção a ela representa um grande aumento de qualidade de vida.
O texto dos princípios também fala para pensarmos neles com as "mãos em postura de oração", isto é, com as mãos unidas, palma contra palma, à altura do coração. Esta postura é chamada gassho e é nela que se medita no Reiki. Todo dia, senta-se em postura confortável, com a coluna reta e coloca-se as mãos em gassho. Em seguida, concentre-se no ponto em que os dedos médios se encontram e respire profundamente várias vezes. Quando a mente estiver tranquila, recite os Cinco Princípios três vezes e reflita sobre eles. O efeito desta prática, realizada com disciplina, é altamente benéfica. Esta é uma prática que pode ser feita por reikianos, bem como por não-reikianos.

1-No dia de hoje, não se irrite.
A raiva perturba a mente e atrapalha o raciocínio. Sentindo raiva, não somos capazes de avaliar corretamente o que se passa em nossa vida e nem como superar um obstáculo que estejamos enfrentando. A raiva também nos faz criar uma série de "fantasias". Se tivermos raiva de alguém, automaticamente fantasiamos que este alguém pensa em nós tanto quanto nós nele, que tenta nos destruir, fazer conchavos etc. E acabamos crendo nestas fantasias sem que haja nenhuma evidência de que sejam reais. Assim, gastamos energia e tempo tentando lutar contra inimigos inexistentes. A raiva também nos faz reagir a pequenos contratempos como se fossem assuntos importantes. Desta forma, além de desperdiçarmos nossa energia tomando atitudes maiores do que a necessária, geramos novos problemas, maiores do que o original. Um estudo da raiva em nossa vida mostra que ela representa em nós uma energia mal direcionada que, não encontrando um objeto sobre o qual agir construtivamente, age destrutivamente sobre outros.
&
Esta frase pode nos dar a chave para uma grandiosa fonte de energia. A raiva é a maneira que a energia agressiva se manifesta, quando se encontra separada de uma acção construtiva. Quem se sente com raiva ou irritado, deverá explorar rapidamente as causas deste sentimento e aclarar o motivo. Deve reflectir de que modo pode transformar esta força em acções e por as mãos à obra! A investigação das causas reais da irritação é revestida de enorme significado para este profundo processo de cura espiritual. O que você teme realmente? Que partes, talvez reprimidas e não agradáveis da sua personalidade ascenderam com mais força à sua consciência através desta vivência?

2- No dia de hoje, não se preocupe.
Se algo de ruim que pode acontecer em nossa vida é inevitável, preocupar-se não é uma boa atitude. Preocupando-se, apenas sofremos duas vezes: antes desse algo acontecer e depois dele. E caso este algo seja evitável, a preocupação roubará o tempo e a energia que poderíamos dispor para evitá-lo. O que acabará por torná-lo inevitável. No primeiro caso, só nos resta a resignação e tentar minimizar os danos, o que só é possível deixando a preocupação de lado. No segundo, nos resta exercer o quarto princípio e trabalhar diligentemente para evitá-lo.
A preocupação, a aflição e a ansiedade distorcem a percepção da realidade e levam-nos a ver nossos problemas maiores do que realmente são, tornando-os mais difíceis de serem solucionados. Preocupar-se com os outros, nos faz assumir para nós responsabilidades que não são nossas e situações sobre as quais não temos controle. Além de desviar a atenção daquilo que realmente nos compete.O entendimento do princípio budista da impermanência, de que tudo nessa vida é passageiro, é de grande ajuda para superar a preocupação. Muitas de nossas grandes preocupações hoje serão risíveis amanhã. O segredo consiste em torná-los risíveis agora para haver paz de espírito.
&
As preocupações põem em evidência que uma parte do nosso subconsciente acredita perder o controlo sobre coisas essenciais necessárias à sobrevivência, ou para a conservação de recursos importantes. Noutras palavras, o nosso subconsciente crê que algo muito perigoso, doloroso ou de algum modo incómodo acontecerá e não sabe o que fazer. podemos solucionar este problema se soubermos exactamente o que é que tememos. a maioria das vezes, o motivo do medo mostra-se oculto à Luz da consciência e pode ser superado com um pouco de esforço. Este princípio tem relação com o poder do medo que na verdade é somente um guardião mas que algumas pessoas transformam no dono das suas vidas. s medos nos dizem: Pare onde está, não se mexa! O Reiki nos diz: Reconhece a tua força, levante-se e siga o seu próprio caminho! Devemos dar um bom exemplo aos demais e ajudá-los a encontrar seu próprio caminho.

3-No dia de hoje, seja grato e humilde.
A gratidão é um dos grandes motivadores do ser humano. Quando uma situação negativa nos aflige, tendemos a enxergar somente ela e não ver luz no fim do túnel. Muitas vezes, chegamos a nos considerar "amaldiçoados" ou vítimas do destino. Aprendendo a ser gratos, adquirimos a capacidade de ver tudo de bom que há em nossa vida e que faz valer a pena viver e superar qualquer situação aflitiva. Podemos ser gratos ao teto que nos abriga, à comida que nos alimenta, à família que nos colocou em um mundo maravilhoso, aos amigos que nos apóiam e até mesmo ao ar que respiramos. Se mesmo assim parece não haver nada de bom em nossas vidas pelo que ser grato, podemos agradecer o fato de saber que somos capazes de mudar nossas vidas e ser felizes e plenos. Apenas este pequeno ato de agradecimento a uma capacidade inerente a todo ser humano já é capaz de mover montanhas!
Humildade não é considerar-se sem importância. É reconhecer que tudo o mais tem exatamente a mesma importância que você. Desde um rico empresário até o mendigo da esquina, dos grandes e belos tigres do zoológico à barata que entra na cozinha. É saber que tudo faz parte de um todo e que nada existe por acaso. Todos os seres criados têm um papel na Teia da Vida e isto deve ser sempre respeitado. Ser humilde é considerar-se igual em importância a todos os seres, saber que temos nosso próprio papel neste mundo e procurar cumpri-lo sem interferir no papel dos outros. Apenas cumprindo nosso papel no mundo podemos ser realizados e não viver de máscaras.
&
A gratidão significa um reconhecimento das bênçãos divinas que obtemos através de tudo o que recebemos, independente do quão grande ou pequeno seja. Praticar a gratidão significa conectarmo-nos com a rede da vida e sustentados por ela, conseguirmos a força da confiança básica. Se somos agradecidos, reconhecemos a grandeza da Força Criadora e com ela ao mesmo tempo, o Poder da Centelha Divina que habita em nós e nos outros, e que permite que o coração bata e que o espírito e o corpo possam viver. Com frequência ignoramos a força da mão criadora porque ficamos presos de forma rígida à ideia de uma determinada forma de felicidade e realização. Talvez não tenhamos o conceito correcto do significado das palavras felicidade e realização. Já pensaram nisso? A gratidão desperta os sentimentos para Acções Divinas. Este princípio ajuda-nos a não cairmos no isolamento. Somente aquele que é consciente da união de todos os seres vivos pode realmente perceber o Divino. Aceitemos tudo o que recebemos. Se aceitarmos de coração, compreenderemos que sempre vem a nós o certo no momento oportuno.

4-No dia de hoje, faça seu trabalho com diligência/ganha honestamente o teu sustento.

Fazer seu trabalho com diligência tem muitos significados. O mais óbvio é que se cumprimos com nossos deveres somos menos sobressaltados por imprevistos no futuro, livrando-nos de muitas dores de cabeça desnecessárias. Mas também significa viver plenamente o momento presente, sem expectativas do futuro ou condicionamentos do passado. Trabalhar pensando no passado prende-nos a ele, rouba a espontaneidade, necessária para uma obra genuína. Fazê-lo pensando no futuro faz com que tentemos ter controle sobre nosso destino, grande ilusão. Também cria expectativas que, se não forem satisfeitas, causarão sofrimento. Assim, o quarto princípio poderia ser desdobrado em: "cumpra seus deveres e viva o momento presente integralmente".
&
Trabalhar arduamente no seu interior, ajuda a superar resistências e a conhecer as suas próprias forças.
O trabalho no sentido espiritual é fundamentalmente em primeiro lugar, um trabalho consigo mesmo. Somente quem realiza isto de maneira correta e incansável pode comprometer-se cada vez mais com seu Eu Divino. Este trabalho é necessário porque de outro modo, os velhos e já aceites padrões de comportamento e de medo, ódio, separação, questões sobre nós mesmos e inconsciência, auto-engano e irresponsabilidade, tomam novamente o controle sobre o rumo das nossas vidas e detroem todo o sucesso curativo que alcançaríamos com esforço baseado em amor, atenção e a acção plena de entrega. Fazer as suas obrigações, significa realizar um sério esforço para percorrer o caminho até Deus: Aqui e Agora, não somente duas horas, duas vezes por semana nem num curso de meditação. Seguindo este princípio, poderemos soltar as rédeas dos nossos talentos e desenvolver nossos pontos fortes e partilhá-los com os outros.

5-No dia de hoje, seja gentil e amável para com todos.
Tal qual o quarto princípio, o quinto tem muitos significados. Ser gentil no trato com nosso semelhante facilita a vida. Sempre há quem recompense no futuro uma gentileza feita no passado. E, quando deparado com uma situação difícil que precisa ser solucionada, ser gentil com as pessoas faz com que elas tendam a ser mais cooperativas. Mas há outro sentido da gentileza, não ligado ao ego. A gentileza do quinto princípio é também uma consequência do terceiro princípio, o da humildade. Se reconhecermos que somos iguais em importância a todos os seres criados, não há como trata-los com rudeza, pois esta se origina do sentimento de superioridade. Assim, ser gentil é uma consequência da percepção de nosso lugar no mundo.
A rudeza, tal qual a raiva, também perturba a mente e atrapalha o raciocínio. O fluxo de pensamento torna-se muito mais tranquilo e produtivo quando aprendemos a ser gentis.
&
O desafio de praticar o Amor espiritual e ser afectuoso com todos é talvez o mais difícil de todos os desafios. Porquê? Porque o Amor autêntico, espiritual, deseja o melhor para todos e não somente uma adaptação simpática superficial de conduta. Ser afectuoso com todos pode significar um sorriso ou um abraço no momento adequado, uma palavra de alento ou uma acção realizada com a cabeça e o coração. Da mesma maneira, o amor pode ser também a consequência, a claridade e a força com que alguém segura uma pessoa que quer correr às cegas para o abismo até que esteja novamente em equilíbrio e possa tomar com calma, uma autentica decisão para prosseguir seu caminho.
Este princípio de vida leva-nos a reconhecer e honrar o divino que está presente em todos. Se aprendermos a perceber em todos a Força Criadora e a despertar a sua obra, não estaremos adormecidos para perceber o momento de nos reconhecermos em outros espelhos, isto é, naquele que acende em nós a chama da vida.
A mais importante lição dos cinco princípios
:
Somos capazes de obter controle sobre as tendências negativas e destrutivas de nossa mente e de nosso coração. Temos em nós todo o potencial para nos desapegarmos delas e nos abrir para um mundo de pensamentos e emoções superiores, que transformam nossa vida interna e externa. Não estamos à mercê das intempéries do mundo exterior, mas podemos desenvolver em nós a capacidade de lidar com eles sem nos abalarmos. Isto é o que os Cinco Princípios têm a nos ensinar. E se os aprendermos, não precisamos aprender mais nada nesta vida!

Kyo dake wa
     
 
Só por hoje
Okoru-na
     
 
Não se zangue
Shinpai suna
     
 
Não se preocupe
Kansha shite
     
 
Expresse a sua gratidão
Gyo wo hage me
     
 
Seja aplicado no trabalho
Hito ni shinsetsu ni
     
 
Seja gentil com os outros
http://reikiana.blogs.sapo.pt/arquivo/550816.html
http://virtualeaf.blogspot.com/2011/02/os-cinco-principios-do-reiki

domingo, 9 de outubro de 2011

A (minha) história do Reiki

Anteriormente foi descrito a história do Reiki um somatório da pesquisa antes, durante e depois das sintonizações no Reiki Essencial, quer por busca na Internet,  quer pelos ensinamentos referidos, quer pela troca de informações das vivências experimentadas.
O momento impõe que haja o relato de outra história do Reiki, a minha:
Até 1999 eu nunca tinha ouvido falar de Reiki, porém nesse ano um conhecido médico, falou do tema, logo despertou a minha curiosidade, principalmente quando mencionou que poderia ser enviado à distância, o que aumentou o interesse pelo tema, pensou "já pensou poder ajudar alguém estando distante? e até a pessoa não saber que sou eu que estou ajudando? seria fantástico" foi o pensamento que surgiu de imediato.
 Só que as informações para concretizar na prática foram poucas devido à escassez de tempo, porém isso  não constituiu nenhum obstáculo, primeiro porque o que tem que acontecer acontece no momento certo, depois, Graças a Deus, existe a Intenet que veicula biliões de informações e no livro de curso os colegas mencionaram "eu encontro tudo na Internet". Parece mesmo que estava destinado, pesquisei, depois surgiu o livro "Reiki Essenscial"- Diane Stein, logo em seguida encontrei na Internet curso de iniciação no Nível I do Reiki Essencial ministrado pela Sandra Ramos, data compatível, apesar de ficar a 387 Km de distância, mas tudo se encaixou na perfeição, porém a Iniciação foi acompanhada por um mal estar generalizado, acompanhado por náuseas e a sensação de vômito iminente, a cabeça doendo, de tal forma que na hora em que o grupo foi praticar um no outro, eu não consegui que aplicassem Reiki em mim, era como se eu estivesse com sobrecarga de energia ( foi semelhante, embora mais intenso, à sensação que tive quando participei de maratona de motivação, um dos workshop do III seminário internacional de aprendizagem acelerativa realizado pelo Curso de Inglês na UERJ, onde o grupo passou o dia fazendo exercícios de meditação, visualização ambas guiadas, numa associação oriental, com a finalidade de estimular o lado direito do cérebro, no final o último exercício foi todos num círculo em pé de mãos dadas e com o olhos fechados, senti uma dor forte na cabeça, como se tivesse recebido um choque elétrico,só parou quando eu soltei as mãos dos colegas), na altura me foi dito que  deveria ser um desbloqueio energético de algum canal ou chakra, mas também concordou que poderia ser excesso de energia, porque passamos o dia fazendo exercícios de meditação e depois houve a manipulação da energia para sintonizar os 12 participantes individualmente, num recinto fechado. Fiquei apreensiva, se poderia causar essa sensação a alguém quando aplicasse Reiki, então não iria aplicar Reiki em ninguém, porque a sensação foi muito ruim e não gostaria de causá-la em ninguém.
 Apesar disso cumpri os 21 dias de autotratamento recomendado (quando descrever as sintonizações, descreverei como correu). Como queria enviar à distância decidir receber posteriormente a sintonização no Nível II, novamente tudo se encaixou na perfeição, voltei ao site da Sandra Ramos e lá estava a data e horário compatível, fui embora apreensiva e receiosa que voltasse a sentir o mesmo mal estar como da primeira vez, mas não, dessa vez foi uma sensação contrária, foi muito agradável, os detalhes descreverei na altura em que estiver descrendo as iniciações. Cumpri os 21 dias de autotratamento recomendado.
Pensei muito antes de decidir fazer o Nível III, porque não tinha intenção de fazer nenhuma sintonia por várias motivos, um deles era o não me sentir à vontade em assumir que era Reikiana, porque as pessoas menos esclarecidas levam para o lado de bruxaria, ou o pior, rotulam como sendo loucura. Porém como são 3 níveis  e por achar que ficaria a meio do caminho e isso nunca gostei, isto é começar algo e não terminar. Entretanto, nas pesquisas realizadas, foi encontrado sites que faziam sintonias à distância, ante essa possibilidade a decisão ficou reforçada e mais ainda para poder iniciar seu "príncipe virtual", que estava distante, caso ele assim o pretendesse.
Novamente tudo se encaixou na perfeição, o que demonstra que a decisão tomada fora a certa, no site da Sandra Ramos a data e a hora eram compatíveis. Fui sintonizada no Nível III, desta vez foi fantástica, maravilhosa, reveladora (os detalhes ficam para quando descrever as iniciações). Cumpri os 21 dias de autotratamento.
Desde então a pratica do Reiki sofreu altos e baixos, houve "algumas derrapagens e capotagens" que me afastaram do Reiki por momentos, a última "capotagem" demorou mais tempo, mas nessa fase a capotagem foi global e não só em termos de Reiki, foi após a morte da "estrela da minha vida" devido ao seu derradeiro olhar, que foi um olhar carregado de terror e momentos antes havia lhe enviado Reiki, apesar de estar no mesmo quarto.
Normalmente envio Reiki à distância, no ínicio da prática estava ligado a um grupo de discussão de Reiki na Internet onde havia os encaminhamentos dos pedidos, depois esses pedidos foram escasseando, bem como as comunicações, até deixarem de existir, sem nenhuma razão aparente, entretanto coincidiu com o período em que estava tirando uma especialização longe de casa e teria dificuldade em aceder para ver os pedidos e poder enviar Reiki, passei a fazê-lo só para a família, os amigos, sempre a distância, sem que me pedissem, o fazia sempre que sentia que alguém estivesse precisando.
Em relação a sintonia, também á distância, sei que a maioria vai dizer que a sintonia à distância não existe, são desprovidas de valor, mas se o Reiki pode ser enviado à distância e surte efeito, porque o mesmo não pode ocorrer com as sintonizações/iniciações? Por isso fiz algumas (pouquíssimas), as que constam na imagem, 4 deles são do meu círculo de amigos, os restantes não os conheço..
Noutra oportunidade descreverei a minha experiência no Reiki que incluirá o surgimento deste Blog

terça-feira, 4 de outubro de 2011

História do Reiki

A História da origem do Reiki é controversa, existindo versões que têm pontos em comum, outras que divergem e outras que são contraditórias:
1- A História do Reiki  segundo o livro" Empowerment through Reiki", de Paula Horan

Por volta de 1870, no Japăo, o Dr. Mikao Usui era decano de uma pequena universidade cristă de Kyoto. Vivia-se entăo um período de grandes mudanças, devido à abertura ao Ocidente, à introduçăo da revoluçăo industrial e ao regresso dos missionários cristăos, aumentando o ecletismo religioso existente. Por seu lado, o Dr. Mikao Usui adoptara sem reservas o cristianismo, tornando-se sacerdote e, depois, decano de um seminário cristăo.
No decorrer de uma discussăo com os seus alunos, um deles perguntou ao mestre se ele interpretava à letra os ensinamentos da Bíblia. Tendo este respondido pela afirmativa, os estudantes lembraram-lhe as curas miraculosas de Jesus, sublinhando as palavras de Jesus Cristo: "Aquele que crê em mim fará as obras que eu faço. Fará até mesmo maiores."
O estudante perguntou entăo como explicava ele aquilo, uma vez que já năo havia curadores em todos o mundo capazes dos mesmos actos. Cristo também ordenara aos Apóstolos que curassem as doenças e ressuscitassem os mortos. "Se assim é, por favor, ensine-nos o método".
Usui năo soube o que dizer. Perante esta impossibilidade, demitiu-se e tomou a decisăo de esclarecer este grande mistério. Ele recebera a sua instruçăo cristă de missionários americanos, por isso decidiu começar as suas pesquisas no seminário de teologia da universidade de Chicago. Após longos estudos infrutíferos, Usui resolveu continuar a sua pesquisa noutro lugar.
Tendo tido conhecimento de que também Buda fora famoso pelas suas curas milagrosas, Usui tomou a decisăo de voltar ao Japăo na esperança de aí descobrir qualquer facto novo sobre a questăo das curas espontâneas. Talvez se encontrasse alguma coisa nos sutras japoneses. Recorreu a vários mosteiros budistas, expondo as suas preocupaçơes. recebeu sempre a mesma resposta, isto é, que nos nossos dias interessavam mais as curas espirituais. Desiludido mas determinado, acabou por encontrar um mosteiro Zen onde foi encorajado a continuar a procura: o velho superior concordou com ele que devia ser possível curar o corpo físico, como Buda fizera, dizendo que o que fora realizado numa época também tinha de ser possível noutra. Porém, nada encontrou, assim como nos sutras chineses. Viajou entăo ao Tibete, e depois de ter estudado os sutras tibetanos Usui pensou estar na posse da verdade sobre as curas de Cristo. Restava agora pô-la em prática.
Visitou entăo o seu amigo sacerdote zen para que este o aconselhasse e os dois chegaram à conclusăo que Usui deveria ir para a montanha sagrada (o monte Kuri Yama), nos arredores de Kyoto, para aí praticar o jejum e a meditaçăo.
Subiu ao monte e amontoou vinte e uma pedras que lhe permitiriam medir o tempo. Na madrugada do vigésimo primeiro dia do seu jejum, procurou tacteando no escuro, pois estava Lua Nova, a sua última pedra. Nada acontecera, mas ele continuava a rezar com fervor. De repente, viu uma luz brilhante a crescer na sua direcçăo à medida que se aproximava. Usui, muito assustado, ainda quis fugir, mas recompôs-se pensando que talvez fosse aquele o sinal que ele esperava há tanto tempo, e que năo podia abandonar tudo tăo perto do fim. Enfrentando o imprevisto, recebeu o impacto da luz em plena testa e julgou ter morrido. Viu entăo milhares de bolhas coloridas a dançarem diante dos seus olhos, tornando-se brilhantes e transparentes, contendo cada uma delas uma letra sânscrita dourada e tridimensional. Apareceram-lhe uma a uma, o que fez com que pudesse guardá-las na memória. Usui foi invadido por um sentimento de gratidăo. Como estivera em transe, năo se apercebera que entretanto já era dia claro.
Impaciente por partilhar a sua experiência com o monge seu amigo, Mikao Usui começou a correr pela montanha, parecia que o seu corpo estava mais robusto, como que rejuvenescido, coisa surpreendente depois de um longo período de jejum. Era o primeiro "milagre" do dia. Na sua precipitaçăo, tropeçou numa pedra e feriu o dedo do pé. Ao querer massajá-lo para acalmar a dor, apercebeu-se que a hemorragia estancara apenas em alguns instantes e que a ferida fechava rapidamente; dava-se o segundo "milagre". Ao continuar o seu caminho, chegou a uma estalagem onde parou para retemperar as forças. O estalajadeiro, ao ver o aspecto do monge percebeu que ele saía de um longo período de meditaçăo e aconselhou-o a escolher uma sopa. Mas Usui declinou a oferta e exigiu uma refeiçăo; depois de ficar satisfeito, sentiu-se bastante bem: o terceiro "milagre".
Antes de abandonar a estalagem, a neta do estalajadeiro, que lhe tinha servido a refeiçăo e cuja face estava inchada há alguns dias, teve uma violenta dor de dentes. Como os modestos meios do avô năo lhe permitiam consultar um dentista, Usui ofereceu a sua ajuda, colocando as măos de cada lado do rosto da jovem e rapidamente a dor e a inflamaçăo diminuíram: foi o quarto "milagre".
Quando chegou ao mosteiro, encontrou o superior com uma crise de reumatismo. Mikao Usui pôs-se a contar-lhe a sua aventura, ao mesmo tempo que punha as măos sobre as partes dolorosos do corpo dele, e a dor desapareceu imediatamente, o que deixou o sacerdote estupefacto. Usui pediu-lhe conselho sobre a utilizaçăo que ele devia fazer do seu novo dom, e o sacerdote encorajou-o a continuar a sua meditaçăo. Após um período de meditaçăo e madura reflexăo decidiu ir para um bairro pobre de Kyoto, para ali tratar os mendigos.
Nos bairros pobres tratou novos e velhos sem distinçăo. Obteve resultados notáveis e muitos ficaram totalmente curados. Mas cerca de sete anos mais tarde reconheceu rostos familiares. Tinham voltado à antiga condiçăo.
Que erro teria ele cometido? Ao reflectir, Usui percebeu que năo tinha sabido comunicar-lhes o sentido das responsabilidades, a começar pela gratidăo. Foi entăo que ele compreendeu que toda a cura física, para ser duradoura, devia ser acompanhada de um equilíbrio psíquico, e que ao dar o Reiki indistintamente ele năo fizera mais do que reforçar as atitudes de vida dos mendigos. Neste sentido, a importância de uma troca de energia pareceu-lhe entăo vital. Todo o acto recebido exigia uma contrapartida sem a qual a vida era desprovida de valor.
Foi nesta altura que o doutor Usui estabeleceu os princípios fundamentais do Reiki. Abandonou os bairros pobres de Kyoto para ensinar em todo o Japăo. Foi neste momento que os símbolos que lhe tinham sido revelados na sua visăo adquiriram todo o seu sentido. Estes podiam servir-lhe para harmonizar os indivíduos, para lhes permitir assumir a responsabilidade do seu bem-estar. Aperfeiçoou o seu método e formou jovens discípulos. No virar do século, confiou ao doutor Chujiro Hayashi a responsabilidade de perpetuar a tradiçăo do Reiki. Foi assim que Hayashi fundou a primeira clínica de Reiki em Tóquio.
Em 1935, Hawaya Takata, uma jovem originária do Hawai e de nacionalidade norte-americana, apresentou-se na clínica de Hayashi. Estava gravemente doente, sofrendo de diversas perturbaçơes orgânicas e de uma depressăo causada pela morte do marido. Pouco antes de se submeter a uma operaçăo cirúrgica, ouviu a voz do seu falecido marido que a conselhava a recusar a operaçăo. Confiou as suas dúvidas ao seu médico assistente e este sugeriu-lhe que tentasse o tratamento pelo Reiki, e foi assim que ela foi tratada e, finalmente, curada.
Muito impressionada com estes resultados, a senhora Takata decidiu iniciar-se no Reiki. Apesar das dificuldades criadas pelo facto de ser mulher, perseverou e acabou por adquirir os ensinamentos do primeiro e do segundo grau. Quando voltou para os Estados Unidos, estabeleceu-se por sua conta. Em 1938, o doutor Hayashi e a sua família fizeram-lhe uma visita e a senhora Takata foi iniciada no grau de mestre pouco tempo antes dos seus visitantes voltarem para o Japăo.
O doutor Hayashi, que era um grande místico, pressentiu a iminência da guerra com os Estados Unidos e tomou providências. A senhora Takata, sensível às suas preocupaçơes, decidiu fazer a viagem ao Japăo, onde foi imediatamente informada das suas premoniçơes sobre os desastres vindouros. O Dr. Hayashi avisou a senhora Takata e instruiu-a acerca das providências que ela deveria tomar para proteger o Reiki. A senhora Takata continuou o seu ensino do Reiki na América do pós-guerra, isto é, durante o maccartismo, um dos períodos mais intolerantes da história americana.
Nos anos setenta, a senhora Takata começou a formar outros mestres e à sua morte, que aconteceu em Dezembro de 1980, já eram 22. Hoje já há mestres de Reiki em todo o mundo.

2- Segundo está escrito em http://www.reikidobrasil.net/reiki.htm
Reiki é uma forma antiga de cura que muitos acreditam ter sido espalhada através do Tibet, da China e da Índia há alguns milênios atrás. Alguns crêem que se originou em civilizações antigas como a Lamuria e a Atlântida. Redescoberta no final do século XIX pelo doutor Mikao Usui, um teólogo, que descobriu textos antigos em manuscritos que continham instruções e símbolos de cura.Mikao Usui - 15/08/1865 a 09/03/1926O doutor Mikao Usui ou Sensei Usui como era chamado por seus discípulos no Japão, foi o fundador do Sistema Usui de Reiki. Nasceu no dia 15 de agosto de 1865 na vila de Yago no distrito de Yamagata da prefeitura de Gifu, Japão. Acredita-se ter estudado em uma escola budista de Tendai no monte Kurama (a "montanha da sela de cavalo") na idade de quatro anos, quando ainda era uma criança. Estudou também o kiko, a versão japonesa do qi-kongo, que trata da saúde numa disciplina de cura baseada no desenvolvimento e no uso da energia da vida. O jovem Usui percebeu que estes métodos de cura requeriam do profissional o esgotamento da sua própria energia da vida ao dar os tratamentos. Quis saber se era possível fazer o trabalho de cura sem esgotar a sua própria energia. Foi então estudar no Japão, na China e nos Estados Unidos e acabou sendo premiado com a sua iniciação e o recebimento do Reiki durante uma prática de meditação no monte Kurama em 1914.
Sensei Usui teve um interesse ávido na aprendizagem e trabalhou duramente em seus estudos. Viajou aos Estados Unidos e a China para angariar mais conhecimentos a sua instrução. Seu currículo incluiu a medicina, a psicologia, e a religião, fazia parte de uma família de dotes financeiros. Como era de uma família rica, isso o ajudou na aquisição de seus conhecimentos, porque no Japão somente quem era rico, poderia ter recursos para mandar seus filhos à escola. Posteriormente se transformou em secretário em Pei Gotoushin, sendo o cabeça do departamento de saúde e bem-estar. As conexões Sensei Usui feitas neste trabalho lhe ajudaram a se transformar num homem de negócios bem sucedido. Sensei Usui era também um membro do ka Rei Jyutu, um grupo metafísico dedicado a desenvolver habilidades psíquicas.

Em 1914 quando seus negócios não iam bem, se sentiu motivado a práticas meditativas, como um espiritualista sensível, Usui Sensei dedicou muitas horas meditando em locais específicos do poderoso monte Kurama, onde tinha recebido seus primeiros treinamentos budistas. Assim decidiu viajar a esta montanha sagrada, onde se registrou no Isyu Guo, um curso de treinamento de vinte e um dias patrocinado pelo templo budista do Tendai que lá existia. Nós não sabemos ao certo o que foi necessário para fazer este treinamento, mas é provável que tenha jejuado, meditado, praticado cantos e orações que foram parte da prática. Além disso, sabe-se que há uma pequena cachoeira no monte Kurama, onde até hoje as pessoas vão lá para meditar. Esta meditação envolve estar sob o impacto das águas da cachoeira, permitindo assim que ela golpeie o alto da cabeça e desça através do corpo, acredita-se que esta prática ativa o chacra da coroa. Os mestres japoneses de Reiki acreditam que Sensei Usui possa ter usado esta meditação como parte de sua prática. Foi durante o treinamento de Isyu Guo que a grande energia de Reiki entrou em seu chacra da coroa. Isto realçou extremamente suas habilidades de cura e incorporou o recebimento de um novo e maravilhoso presente - a habilidade de dar a cura ao outro sem esgotar sua própria energia!
Fundou então uma clínica de cura no Japão onde tratou milhares de pessoas. Iniciou 2000 profissionais e 16 mestres de Reiki que foram instrumentos na adoção e na aceitação global do Reiki como um sistema de cura natural.
Mikao Usui morreu de um ataque de coração fulminante, a 9 de Março de 1926, com 61 anos de idade, durante uma de suas viagens. No seu túmulo, no Templo Sahoji, em Tóquio, encontra-se um imponente memorial, que relata a sua vida e o seu trabalho com o Reiki, que foi erigido por J. Ushida (que se tornou presidente da Usui Reiki Ryoho Gakkai após a morte do seu fundador).
Chujiro Hayashi - 1878 a 10/05/1941
Doutor em medicina e comandante da Marinha Imperial Japonesa. Aos 49 anos, já na reserva da Marinha, procurava um modo de ajudar os outros. Conheceu o Sensei Mikao em uma de suas palestras e por ser jovem e estar aposentado, passou a viajar com ele, acompanhando-o em seus tratamentos e ensinamentos.
Hayashi foi um dos mais devotos alunos de Mikao, tendo se envolvido profundamente com a prática do Reiki e recebido todos os ensinamentos do mestre.
Antes de falecer, Mikao Usui, designou-o seu sucessor. Hayashi assumiu a responsabilidade de difundir a técnica, formando novos mestres e assegurando que o Reki continuasse como ele havia praticado.
Em 1938, pressentiu que uma grande guerra estava começando e que muitos homens faleceriam. Ele decidiu, então, assegurar a sobrevivência do Reiki à Segunda Guerra Mundial, treinando e dando o mestrado a duas mulheres, sua esposa Chie Hayashi e Hawayo Takata.
Hayashi , não querendo ser recrutado para a violência que se aproximava, por meio psíquico e vontade própria, parou seu coração e morreu à 1 hora da tarde de uma terça feira do dia 10 de maio de 1941. Antes de falecer, pediu a Sra. Takata que desse continuidade à propagação do Reiki.
Hawayo Takata - 24/12/1900 a 12/12/1980
Nascida em 24 de dezembro de 1900 na ilha das Flores de Kawai, Havaí. Filha de trabalhadores agrícolas foi bóia fria na cultura de bambu, balconista de bebidas gasosas e governanta.
Casou-se, teve duas filhas e com apenas 30 anos de idade , seu marido morre de câncer no pulmão.. O excesso de trabalho necessário para a manutenção de sua famíla, além da depressão e dos sérios problemas psicológicos, afetaram seriamente sua saúde. Em 1935, no Japão, após 10 dias e noites de viagem de barco, foi descoberto que Takata estava com um tumor abdominal, além de pedras na vesícula e problemas no apêndice, razão pela qual seu estomago doía o tempo todo, impedindo-a de andar erguida.
Apesar de ser indicada a cirurgia, ela recusou-se, pois ouvia uma voz afirmando: “a operação não é necessária”. Foi submeter-se a um tratamento na clínica do Dr. Hayashi, onde recebeu tratamento diário e em quatro meses estava totalmente curada.
Durante o tratamento, Takata não entendia com aos mãos daquelas pessoas que a tratavam podiam esquentar tanto e chegou a procurar pilhas escondidas nos reikianos. Encontrou resistência para aprender a técnica. Somente após usar o forte argumento de ter que ajudar os imigrantes japoneses nipo-americanos foi lhe dada a permissão de aprender o Reiki. Takata concordou em permanecer no Japão e trabalhar na clínica todos os dias daquele ano.
A fim de ter uma melhor compreensão dos aspectos físicos e técnicos da anatomia humana, Hawayo Takata cursou a Universidade Nacional de Medicina sem Medicamentos (National College of Drugless Physicians), em Chicago. Tornou-se uma poderosa curadora e introduziu o método Reiki no mundo ocidental.
Durante 30 anos Takata ministrou cursos e tratou pessoas, garantindo assim a divulgação do Reiki no mundo.

3- Segundo a "academia do equilíbrio"- http://www.freewebs.com/reikienergiaeluz/ahistriadoreiki
Existem registos de técnicas de cura através das mãos, há pelo menos mais de 8 mil anos. Há quem diga que Jesus praticava Reiki e a verdade é que ainda hoje, os padres católicos utilizam técnicas de imposição de mãos, desde abençoar pessoas a lançar bênçãos sobre os alimentos…
Há pessoas que possuem habilidades paranormais de cura, outros utilizam métodos alternativos, tal como o Reiki para potencializar e direccionar a energia de cura.
No entanto, algumas pessoas descrevem o Reiki como sendo oriundo do Tibete, da Atlântida, do Egipto ou da Lemúria. Atribuindo-o inclusive, a Mestres Ascensionados, a seres galácticos, ou a um chinês (Wei Chi) da antiguidade. Muitas são as versões…
Segundo investigações feitas a esse respeito, Usui ter-se-à guiado inicialmente pelo Kiko, uma versão japonesa de Chi Kung, uma arte chinesa que permitia melhorar a saúde através da meditação ou de exercícios de movimento e de respiração. Contudo, nessa prática, usava-se a energia vital do curador para curar os outros. O doador ficava, portanto, desvitalizado e enfraquecido, o que não agradou a Mikao Usui. Por isso, partiu em busca de conhecimentos médicos, psicológicos, religiosos e de desenvolvimento espiritual pelo Japão, China e Europa. Usui conheceu muitas pessoas importantes; há quem diga que assumiu cargos de destaque e que montou um próspero negócio, por conta própria. Segundo estes, em 1914 o negócio terá descarrilado, o que faz com que Usui resolvesse tornar-se budista.
A sua vida, continua a ser uma incógnita. Há quem diga que ele voltou, muitos anos mais tarde, ao monte Kurama, no norte de Kyoto, (onde tinha aprendido e estudado o Kiko), outros crêem que nunca foi monge, mas que sendo amigo dum abade, o tinha ido visitar ali nas redondezas.
Independentemente da versão da história apresentada, em todas elas se confirma que se retirou durante 21 dias par o monte Kurama, onde jejuou, cantou, orou e meditou, levando consigo para esse local, um conjunto de pedras, com as quais ía assinalando diariamente a passagem dos dias.
No último dia do seu retiro, em Março de 1926, Usui teve a sua experiência de Iluminação (Satori); na qual ficou a saber como curar, usando a energia natural, embora sem ficar desvitalizado.
Diz-se que apesar do prolongado jejum, não se sentia com fome ou esgotado. Porém, quando regressava ao mosteiro, a fim de contar ao seu amigo abade o que se passara, feriu o dedo grande do pé. Impôs as suas mãos, (em forma de concha), sobre o ferimento e tanto a sua dor como a hemorragia passaram.
No sopé da montanha, Usui entrou num pequeno albergue, onde terá pedido uma refeição, que comeu normalmente, apesar dos protestos e conselhos do proprietário, que vendo o seu aspecto e adivinhando o seu jejum, lhe propôs algo mais leve para comer.
Apesar dos 21 dias de jejum, Mikao nada sentiu de anormal. No entanto, a menina que lhe serviu a refeição, (que uns dizem ser filha e outros neta, do dono do estabelecimento), tinha dor de dentes. Mikao tocou-a e o toque das suas mãos foi o suficiente para curar a dor e a infecção da menina, que padecia à vários dias, pois o médico além de morar longe, ficava muito dispendioso.
Quando finalmente chegou ao mosteiro, encontrou o seu amigo acamado, vítima de artrite. Impondo-lhe as mãos nos locais doentes, aliviou-o das dores que sentia. Curado, o abade terá exclamado: «Isto é reiki, energia vital universal de vida!»
Mikao Usui passou os 7 anos seguintes, num bairro de mendigos no Japão. Algumas das pessoas que tocou ficaram realmente curadas, mas outras, encontrou-as mais tarde, novamente nas ruas, de volta à mendicidade. Mudar custa e estas pessoas tinham optado por voltar à mesma vida, em lugar de lutarem por uma vida melhor.
Foi então, que entendeu que a verdadeira cura só é alcançada quando a energia atinge a mente, o corpo e o espírito e criou os 5 princípios em que assenta o Usui Reiki Ryoho.

4-Segundo o Site, pesquisado em Maio de 1999,

As 3 versões anteriores que têm pontos comuns, é a lenda tradicional qual a sra. Takata contou para que o Reiki fosse aceite nos Estados Unidos no pós guerra. Por isso ela cristianizou a história e fez de Usui um sacerdote católico que viajou aos Estados Unidos, segundo o livro "Iashi No Te (Healing hands)de Toshitaka Mochizuki: Mikao Usui nasceu em 15 de agosto 1865.Ele faleceu no 9 de março 1926 em Fukuyama, Hiroshima.Ele não foi cristão, menos ainda sacerdote. Nunca foi a Chicago, a universidade nem existia neste tempo.Todo este aspeto cristão foi contado de Sra. Takata para facilitar a aceitação do Reiki nos EEUU.
Usui entrou já como criança num monasterio budista onde ele começou se interessar pela cura natural.Ele nunca viajou fora de Japão e fez todos seus pesquisas nos bibliotecas de Kyoto.
Ele fez parte de um grupo 'Rei Jyutsu Ka' (pessoas com capacidades espirituais) que trabalhou com cura pela imposição das mãos.
Em 1914 ele meditou na Kurama Yama para 21 dias e recebeu sua iniciação divina.Os símbolos 3 e 4 são Kanji, o 2 e um símbolo arcaico do budismo e aparece em diversos estatuas de buda o 1 e um símbolo universal, que se encontra em diversos lugares do mundo.

O dr. Mikao Usui, sacerdote e presumível reitor na Universidade de Doshisha em Kyoto no Japão (factos contestados, muitos afirmam que nunca foi sacerdote e alguns dizem que Usui também não possuía nenhum grau universitário, que a designação de doutor, lhe terá sido atribuída pelos seus alunos, duma forma carinhosa e respeitosa, em função dos seus ensinamentos), foi o redescobridor do método e instituidor do Reiki enquanto sistema de harmonização e cura natural.
Mikao Usui não foi doutor.O titulo dele era sensei, depois traduzido por doutor.Faz sentido porque o titulo origina das mestres espirituais da igreja, doutor significa estudado, foi usado primeiro para os grandes mestres da igreja católica.
Depois foi titulo acadêmico.Usui não tinha o titulo acadêmico, mas ele foi conhecido como curador popular.
Originalmente Usui iniciou os alunos sentado num circulo meditando.Só depois quando ele iniciou fora do grupo, ele criou os métodos da iniciação. Estes descobertas não desvalorizam o Reiki.
Temos que entender a situação pós-guerra e compreender a decisão de Takata de cristianizar a historia.
Hoje não tem mais necessidade de fazer isso, mas como parte da tradição é bom contar a lenda que Sra. Takata

Esta última versão apenas contesta as anteriores, no que tange ao precursor conhecido, do Reiki, dr. MiKao Usui, porém a História do Reiki parece vir de muito antes, segundo é descrito em:
Esta é a história da linhagem do Reiki Tibetano, como apresentada por Craig Ellis, Mestre em Reiki Tibetano. Mestres Ascensionados, incluindo El Morya, ensinaram o que nós nos referimos agora como Reiki Tibetano para Buddha, Jesus e Maomé. Eles também ensinaram as pessoas na Lemuria, Atlantida, Egito, Andes, Machu Picchu e para os Hunas na Polynesia. No início do século 17, Babaji, Mataji, e Mestre Rupon ensinaram a Tschen Li. Tschen Li ensinou ao Dr. Usui que começou a linhagem do Reiki Tradicional:
O Reiki Essencial surgiu do Reiki Tradicional: o Dr Usui ensinou Chujiro Hayashi, que por sua vez passou os ensinamentos a Hawayo Takata, que passou os conhecimentos a Iris Ishikuro, que passou para Arthur Robertson e este a Jeanice Sandi, que por sua vez transmitiu o conhecimento a Diane Stein que deu origem ao Reiki Essencial.

http://www.portalcosmico.com.br/portal.asp?page=tibetano